Silêncio toma conta da Casa da Criança

Pode parecer estranho, mas o raio-X da Casa da Criança Marcelo Asfora revela que 2020 não foi um ano inútil. Não teve vai e vem da meninada, nem atividades esportivas ou artísticas. Nada de refeitório aberto para almoço e lanche e, sequer, um pé de pessoa nas salas de aula ou na biblioteca. Teve, porém, a CCMA dentro da casa dos seus 110 alunos,  por via remota. Esse trabalho pedagógico é do coordenador Silvio Tenório Cavalcanti. Desde março,  ele usa, principalmente, o WattsApp, para marcar presença junto à criançada. Ele conta histórias, evangeliza e tira dúvidas de um e de outro. Uma ação que tio Silvinho diz ter “muito de assistência social”.  Um ponto positivo.

O exame acusa também melhorias físicas na Casa da Criança. O recesso, provocado pela pandemia do coronavírus, possibilitou obras na estrutura do prédio. A diretoria aproveitou a situação de portas fechadas para recuperar o que estava avariado. Hoje, ele está pronto e adaptado para receber os alunos. Uma pequena reforma, para atender as exigências do protocolo sanitário. Vê-se, ainda, a entrega mensal de cestas básicas às famílias dos alunos e até kit lanche, a cada quinze dias, além de presentes em épocas comemorativas, como Páscoa e Dia da Criança. Um desses brindes é a Bíblia Infantil. A conclusão diz que o paciente CCMA está bem de saúde.



Comentários