Um padre, um amigo, um irmão ... e a saudade!

    
   Quem teve o privilégio de conviver com ele, conheceu a potência de sua voz e a força de gigante. Era um homem baixinho, que tomava conta dele na hora de defender as pessoas humildes e carentes. Guiava os seus paroquianos, sem fazer distinção alguma; morassem eles em palafitas ou belas mansões, todos eram tratados pelo padre Edwaldo dentro da linha da fé. Levava a todos os ensinamentos de Cristo, no tocante à generosidade, à caridade e à compaixão. Ele soube, como poucos que conheço,  dispensar amor incondicional a quem o procurava.

    Lembro-me  bem dos momentos em que ele falava em sermos generosos, quando fazíamos nossas ofertas nas celebrações. Pedia que pensássemos nos nossos irmãos mais necessitados e que nos envolvêssemos mais nos movimentos pastorais. A Festa da Vitória Régia, por exemplo, era um acontecimento e uma marca dele. Padre Edwaldo não dissociava a parte financeira da oportunidade de promover o congraçamento do seu povo. Era tudo para o bem da Creche que, hoje, é gerida pela Prefeitura do Recife, e da Casa da Criança Marcelo Asfora.

   Ele era uma pessoa disponível. Não estabelecia horário para receber quem precisasse dele. Estava sempre às ordens, coisa típica de amor fraterno. Ouvia, ensinava e conversava francamente. Difícil não lembrar o repertório de suas frases repetidas à exaustão, como a que não tinha medo da morte, mas que não tinha pressa alguma em mudar-se para a casa do Pai; ou de expressões como “de singular beleza” e o carinhoso, “eu sou o vigário e você o vigarista”. 

   Hoje,  padre Edwaldo não está entre nós, mas deixou-nos ensinamentos como herança. Ele nos ensinou a crescer na fé e plantou a saudade no coração dos paroquianos. Viveu a vocação de pastor até o último dia da sua vida aqui na terra. Jamais abandonou seu rebanho. Resultado é que ele está em toda parte: nas celebrações, nas homilias, nas festas, nas saídas para um restaurante, na risada, nas piadas e, até mesmo, num docinho roubado, para fugir do controle dos amigos, que teimavam em cuidar da sua saúde. Essa saudade que sinto dele, tenho certeza de que muitos outros sentem, vem do fato de reconhecer nele o grande padre, amigo e irmão que ele sempre foi.

Carlos André - (Carlinhos)

Comentários

  1. Meu tio amado, quantas saudades dos seus exemplos, da sua força, do seu amor imenso por todos nós. Domingo iremos, mais uma vez, relembrar um dos nossos piores dias. O dia que jamais imaginaríamos chegar tão cedo.. No entanto, a fé que tanto nos ensinaste, nos faz compreender a necessidade desse dia triste, para alcançarmos a verdadeira vida para Deus, a vida eterna. Estamos aqui, "caminhando", como você sempre dizia, a espera do nosso reencontro.Te amo sempre e para sempre. Emília Gomes de Miranda.

    ResponderExcluir
  2. Saudades de Tio Waldo, do homem de Deus, generoso com todas as pessoas, de uma palavra amiga, acolhedor dos pobres, corajoso e firme com o que está errado, a crítica na medida certa, tipico de um grande pai que zela por sua família que era seus parentes e seus paroquianos. Era também um homem otimista e alegre que tinha uma palavra de amor e fé e bom humor, nos fazendo refletir sobre o real peso de nossos problemas em comparação com a realidade de muitos, saudades, mas a fé nos deixa mais fortes e a certeza que estamos juntos pelo amor, te amamos.

    ResponderExcluir
  3. Respostas
    1. Andrezinho .. vc e Milinha eram os filhos que ele não teve.. Gratidão priminho! Bjos 😘

      Excluir
  4. Tio Valdo a saudade não passará nunca, você sempre estará presente na nossa vida pelos exemplos e lições que nos deixou! Lembro muito de uma certa ocasião em que estamos de férias na praia e era mais de 0h quando o telefone do senhor tocou, o senhor levantou e atendeu, no outro dia lhe questionei pq tinba atendido uma ligação tão tarde e o senhor me olhou sério e falou: "-Minha filha você gostaria de ligar para um amigo e ele não atender? Quem me ligou precisava de mim!" Naquele momento minha admiração pelo senhor, que já era enorme, aumentou ainda mais! Obrigada pelo exemplo de amor ao próximo e aos mais humildes que o senhor me deixou! A sua presença nos faz uma enorme falta, mas a certeza de que estais no paraíso nos conforta muito! Te amo para sempre! Sua sempre jornalista e caçula da caçula! Paty

    ResponderExcluir
  5. Pe. Edwaldo: exemplo de ser humano íntegro e fiel à família que escolheu (paroquianos) e à Igreja que, mesmo com seus defeitos (feita por homens e, portanto...santa e pecadora), ele tanto respeitava.
    Tio mais do exemplo, honrava a batina que usava e seguia como quem segue a linha do trem aos ensinamentos de Jesus. Tinha um olhar todo especial para os pobres, NUNCA deixou que qualquer demanda da paróquia o distanciasse do atendimento a essas pessoas e às crianças que tanto ajudou também.
    Cobrava dos políticos com uma força e com tanta moral, digna de quem anda verdadeiramente na linha que não deve nada a ninguém, que era extremamente respeitado por todos.
    Era o mesmo homem dentro ou fora da igreja, sem regalias e nenhum tipo de "moleza" para seus familiares. A sua regra sempre foi única. Nunca o vimos fazer algo diferente do que pregava.
    Sua verdade, profundidade e simplicidade ficarão para sempre nas nossas mentes, no nosso caminho e dos seus sobrinhos netos, bisnetos, etc... sua CHAMA e FORÇA nunca se apagarão.
    Sempre vivo em nossas vidas. Saudades eternas
    Didi, como me chamava🌻

    ResponderExcluir

Postar um comentário