Pastoral da Escuta

“Deus nos escuta nas nossas necessidades e quer que façamos o mesmo com nossos semelhantes”. Assim é definido o trabalho da Pastoral da Escuta da Paróquia Sagrado Coração de Jesus, por sua coordenadora, a psicóloga Neusa Castilhos. O grupo, formado por psicólogos e psicanalistas voluntários, vem realizando atendimentos gratuitos e tem aumentado o volume de trabalho, durante a pandemia, escutando e ajudando pessoas que têm sofrido com perdas de pessoas queridas e com o isolamento.

A pandemia do coronavírus tem afetado as pessoas de diversas formas, desencadeando quadros de tristeza e, até, depressão. Para levar conforto e auxílio a quem sofre com alguma dessas dores, os membros da Pastoral da Escuta  disponibilizam-se a conversar e aconselhar, de forma profissional, a quem procura o serviço. “Na escuta pastoral, emprestamos nossos ouvidos a Deus para que Ele escute os clamores de Seu povo. Esta deve ser e é nossa atitude, como psicólogos e psicanalistas”, explica Neusa Castilhos.

E o trabalho da Pastoral da Escuta tem levado alento aos paroquianos. “A Pastoral da Escuta cria meios para que os clientes sintam-se livres para falarem tudo o que lhes vier ao pensamento e, assim, conscientizarem-se de suas dificuldades e elaborá-las”, pontua a coordenadora. “Neste tempo de pandemia, a Pastoral tem ajudado muitas pessoas, que estão conseguindo enfrentar as doenças e as perdas de familiares e de pessoas amigas”, completa. Os atendimentos são realizados por telefone, com sessões semanais de 45 minutos.

Neusa conta que, desde o começo de 2021, com o agravamento da pandemia, a procura pelos atendimentos vem aumentando. “Escutamos muitas queixas de solidão, principalmente dos idosos. Também é comum os relatos de perdas financeiras, muitos deles de profissionais autônomos. Ainda há pessoas que afirmam sentir falta de ir à missa”, revela. A partir dos relatos, os profissionais buscam orientar os pacientes da melhor forma.

Um dos clientes da Pastoral é José Wellington Carvalho de Freitas. Ele conta que o trabalho do grupo tem feito grande diferença em sua vida. “A Pastoral da Escuta tem me ajudado a enxergar horizontes que, antes, eu não enxergava, a me reformular a cada dia para dias melhores, procurando entender quais são os meus limites”, conta. “Ainda não estou 100 por cento, mas estou em processo de minha autoconstrução”, acrescenta.

Para manter os atendimentos e poder absorver a demanda, crescente a cada dia, a Pastoral da Escuta busca novos voluntários. “Precisamos de mais pessoas que se juntem a nós nesse trabalho de ouvir o outro. É um serviço pastoral indispensável, principalmente no período em que estamos vivendo”, ressalta Neusa. 



Comentários